A companhia na solidão

Scroll down to content
Em minha solidão
Tenho ficado tanto comigo,
Que ando totalmente aterrorizado
Com aquilo que sou
E jamais pensei ter sido.
Carrego comigo outro que desconheço,
Um intruso, um estranho.
O espelho, o maldito espelho,
Sempre que passo por ele
Mostra-me esse outro EU retorcido.
Não bastasse a navalha do silêncio
Que fatia em finas camadas a alma,
Para marcar o tempo,
Tenho de conviver com outro EU,
Sem jeito, acanhado
E a contragosto…
Anúncios

Olá! Obrigado pela visita.

%d blogueiros gostam disto: