Prisões da alma

Scroll down to content

Foi no dia
Em que resolvi caminhar
Com minhas próprias pernas
Que percebi o peso delas
Devido aos inúmeros grilhões
A que estavam submetidas…
A cultura
E os costumes hereditários
Confundindo-se com minha carne,
Ligados a pesadas correntes
E aos medos mais inocentes…
Dói e cansa livrar-se
Das próprias convicções,
Prisões da alma,
Que por consequência
Aprisionam também a carne…
Anúncios

Olá! Obrigado pela visita.

%d blogueiros gostam disto: