Pensamentos e reflexões de Davi Roballo e outros autores
Em mim habitam
Um velho,
Um jovem bobo
E uma criança
Que adormeceu.
Há outros
Com rostos desfigurados,
Pois sou tantos
Que me vejo na multidão
E a multidão
Está na minha carne
Em meus ossos
E se agita em meu sangue…
Mas há um destaque
No meio da turba
Que saltita
Em minhas entranhas,
Um equilibrista
A dizer que é
Meu verdadeiro eu,
Enquanto que o velho
Sentado sobre o que acumulou na vida
Golpeia lhe a cabeça
Com uma bengala
Aos berros:
Não há como ser tu
Por ti mesmo, besta!
Pois eles estão em ti
Porque tu estás neles,
Não acordaste para a vida,
És no fundo
O vilão que assusta a criança
Impedindo-a de sonhar,
Maltratas tanto sua inocência
Que ela se escondeu
E nas profundezas,

Simplesmente adormeceu…

Anúncios

Olá! Obrigado pela visita.

%d blogueiros gostam disto: